Roupas que repelem bactérias, vírus e contaminação


Nanoropa é uma realidade

Esta foto é de uma coleção de roupas de cientista da Universidade Cornell. O capuz, as mangas e os bolsos da jaqueta contêm nanopartículas de paládio que atuam como minúsculos conversores catalíticos para eliminar os componentes nocivos da poluição.

Para criar os nano-tecidos, Ong recorreu a Juan Hinestroza, professor assistente de ciência da fibra na Cornell. Ele e o pesquisador de pós-doutorado Hong Dong banharam os tecidos de algodão com carga positiva em uma solução de íons de metal com carga negativa. Forças eletrostáticas ligam os íons de metal ao algodão. Quanto menores forem as partículas de metal, maior será a área de superfície para interações com micróbios ou fumaça na atmosfera.

O melhor desses nano tecidos é que as partículas são tão pequenas que as roupas têm a mesma sensação e transmitem a mesma sensação de qualquer camisa de algodão. As nanopartículas também evitam que partículas maiores de sujeira atinjam a superfície do algodão, de modo que as roupas não precisam ser lavadas com frequência. "E se você criar as cores com partículas, em vez de usar pigmentos", diz Hinestroza, "a roupa nunca vai desbotar."

Fonte: PopSci



Vídeo: Roupas e superfícies: onde e por quanto tempo o coronavírus consegue sobreviver?


Artigo Anterior

Refeições para ter sucesso em um piquenique na praia

Próximo Artigo

Cérebro artificial