Chip de memória sem fio


Apresentando um minúsculo chip de memória sem fio

De acordo com um artigo publicado em 17 de julho de 2006 na versão online da BBC News, a empresa Hewlett-Packard desenvolveu um novo chip do tamanho de um grão de arroz (2-4mm2), capaz de armazenar até 512Kb e trocar dados via wireless.

O chip, conhecido como Memory Spot, foi desenvolvido nos últimos quatro anos por pesquisadores do laboratório da HP em Bristol, no Reino Unido, que afirmam que o chip é pequeno o suficiente para ser embutido em quase qualquer objeto e pode ser usado, entre outras coisas, em certos medicamentos para garantir que não foram falsificados, nas pulseiras de pacientes de hospitais para registrar o tratamento que lhes foi administrado ou mesmo em cartões postais para adicionar sons ou vídeo.

A velocidade de entrada e saída de dados do chip é de até 10 megabits por segundo, muito mais rápida do que a oferecida por outros sistemas de curto alcance, como Bluetooth ou etiquetas de identificação por radiofrequência (RFID). Além disso, não precisa de bateria, pois os dispositivos que farão a leitura dos dados do chip o fornecerão com energia de indução. E de acordo com a HP, a quantidade de memória embutida no chip tende a aumentar nas versões futuras do chip.

Como todos os componentes que compõem o chip (modem, antena, microprocessador ou memória), podem ser fabricados como uma única unidade, o custo de fabricação é muito baixo, por isso a HP estima que, uma vez iniciada a produção, os chips eles podem custar apenas um dólar cada.

"Não há dúvida de que ele tem um grande potencial de longo prazo", diz Tim Bajarin, diretor de Creative Strategies, pesquisador de mercado da Califórnia.
A HP anunciou que mostrará o chip a órgãos de padronização da indústria de alta tecnologia para ampla aprovação. Em todo caso, o aparelho ainda está a pelo menos dois anos de distância do mercado.

Fonte: BBC Technology



Vídeo: FIZ UM LEITOR DE CARTÕES USB COM SUCATA! - A boa e velha gambiarra!


Artigo Anterior

Detalhes amor

Próximo Artigo

O site corporativo da empresa como meio de convocação da Assembleia Geral