O site corporativo da empresa como meio de convocação da Assembleia Geral


O site corporativo de uma empresa pode ter inúmeras utilizações, entre as quais se destacam: convocar reuniões e fornecer informações aos parceiros. Mas para que seja possível, essa possibilidade deve constar do estatuto da empresa.

Está regulamentado pelos artigos 11 e 173 do Texto Consolidado da Lei das Sociedades de Capital, alterado pela Lei 1/2012 de 22 de junho http://www.boe.es/diario_boe/txt.php?id=BOE- A-2012-8406.

Na prática, duas hipóteses são levantadas, dependendo se empresas já constituídas ou de empresas recém-criadas.

Nas empresas recém-criadas, isso será necessario:

  1. Incluir cláusula no contrato social indicando que todos os sócios concordam com a criação de um site corporativo.

  2. Esta cláusula será complementada pelo Estatuto Social, que terá a seguinte redação:

Sede, nacionalidade, site corporativo: A empresa está domiciliada em …… e tem nacionalidade espanhola.

O Órgão de Administração pode criar, suprimir ou transferir sucursais, bem como alterar a sede no mesmo mandato municipal.

Por deliberação da Assembleia Geral, a sociedade pode ter uma página web corporativa, nos termos do disposto no artigo 11 bis da Lei das Sociedades de Capitais. A Assembleia Geral poderá delegar no Conselho de Administração a escolha da URL ou site do site corporativo, que uma vez especificado será comunicado a todos os sócios.

A modificação, transferência ou exclusão do site serão da responsabilidade do órgão administrativo.

Nas empresas já constituídas após a entrada em vigor da reforma legislativa:

Se o contrato social não contiver nada sobre o site corporativo, a empresa deve realizar as seguintes etapas:

  • A Assembleia Geral será convocada pelos meios tradicionais (comunicação escrita e individual aos sócios ou, na sua falta, publicação no BORME).

  • Nesta chamada, a criação do site corporativo constará expressamente em pauta.

  • O contrato de criação do site ficará registrado em folha aberta à empresa no Registro Mercantil e será publicado no BORME, cuja publicação será gratuita.

É importante ressaltar que até que o site seja publicado no BORME, as inserções nele feitas pela empresa não produzirão efeitos contra terceiros.

Em conclusão, é aconselhável o regulamento estatutário do site corporativo “ab initio”, desde a constituição da sociedade; e se isso não for feito, a inclusão do acordo a posteriori, visto que esta disposição não acarreta custo para a sociedade e permite economias no futuro. (Foto: imagens do Google)



Vídeo: VALUATION Passo a passo da Análise Fundamentalista - Case ALUP11


Artigo Anterior

Citações famosas de músicos

Próximo Artigo

Google e Yahoo compartilham anúncios